Essências

Onde pulsa a Vida existe Momentos Únicos e Você como pessoa pode mudar para melhor,sempre.

Textos

...Eu a recolhi na beira praia, já estava sem vida.
Ouvindo músicas clássicas, entoei hinos à majestosa via expressa,

Na qual circulamos livremente e velozmente nestes momentos, os nossos mais puros sentimentos e percebo que teimosamente eles tentam sobreviver aos encantamentos pelo mundo das matérias.

Encho-me de paz de espírito e deixo o amor me dominar, me envolver e começo a voar, levitar...
Sinto-me levado pelos ventos para os campos, para os jardins, para os ares da primavera...
Voando sobre os mares, as montanhas, os rincões do interior, sobre as paisagens de hoje e de ontem.

Mas quando, como num arroubo de eternidade, Eu penso em caminhar no futuro, percebo que meu corpo se desfez e só meu espírito lá chegará.

A Terra como proprietária cartorária reclamará a sua posse no seu tempo devido, mas Eu chegarei Lá.

Hoje Eu olhei a morte de uma folha e exultei a Sua liberdade.

Nossas perdas se parecem, de uma pessoa a uma folha, muda apenas o valor que damos a cada qual.

Alguns sentem dó na falta de alguém, outros sentem dó na presença de alguém, que de velho muda suas cores para pálidas e ocras..  

Da leveza da folha e de nossa leveza, se parece somente o apego à vida.
Eu acompanhei a sua morte.

Vi-a em cores ocras e pálidas. Imaginei-a, incrédula de seu futuro e na sua compreensão do mundo achou que há sua hora havia chegado.

E, repentinamente, lançou-se no espaço vazio não na busca da morte, mas sim da sua liberdade...

A folha, por momentos embalou-se nos ares e encantou-se com a distância percorrida.
Nunca tinha se separado da árvore e nem conhecido o mundo de tão de perto.
Queria sempre ser como os pássaros, seus hóspedes, a voar, voar e voar.

Mas sabia que ao separar-se, a vida tinha-se partido.

Tanto tempo olhando a mesmice do mundo lá do alto e agora tantas emoções em tão poucas horas

Próxima da Terra, seu barriga recolheu-se e numa lufada do vento caiu de bordo.

Suas nervuras ficaram expostas e ainda havia alguma seiva de vida em seu caule seco e intumescido.

Ali seria seu túmulo, não fossem as águas da chuva que vindas subitamente por sobre as copas das árvores, Alagaram o ribeirão e também sobrando invadiram o calçadão.

Boiou e foi levada pela correnteza, corredeira abaixo até o riacho e de lá,acompanhada por outras folhas e objetos partiu em direção ao mar em alta velocidade.

Seus sentidos estavam quase lhe faltando quando adentrou ao Mar e percebeu a sua fúria e a sua força.

Ali se desfez a sua vida. Nada mais era do que uma folha inerte. Morta, desfigurada.


...Eu a recolhi na areia da praia. Já estava sem vida.

Ela partiu deixando o seu corpo para a Terra cartorária, mas o seu espírito seguirá com o meu...
Robertson
Enviado por Robertson em 18/02/2011


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras